trabalhadores_embraer_foto_divulgacao_sindicato_dos_metalurgicos

Sindicato afirma que já houve pelo menos 70 demissões desde segunda-feira

Reprodução/Sindicato dos Metalúrgicos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Sindicato dos Metalúrgicos ameaça fazer greve a qualquer momento se não obtiver respostas da Embraer a respeito de, pelo menos, 70 demissões que podem ter ocorrido nos últimos quatro dias. Na terça-feira (4), a categoria protocolou um pedido de reunião com a fabricante de aeronaves para conversar sobre os desligamentos.

“A empresa disse que não vai fazer reunião porque não é tanta demissão assim”, afirma Hebert Claros, diretor do sindicato.

De acordo com a categoria, a entidade pretende recorrer ao Ministério Público do Trabalho para conseguir uma ‘mesa de reunião’ para discutir a situação com a empresa. 

“Na nossa opinião esses desligamentos comprovam que a venda da Embraer ameaça empregos na região. Está ficando claro a intenção da empresa em demitir”, acrescentou Hebert Claros.

Os desligamentos citados correspondem apenas ao setor de produção e, além disso, outro fator que reforça o clima de greve é a campanha salarial. A categoria informa ter apresentado à fabricante reajuste de 16%, mas a Embraer, de acordo com o sindicato, negou-se e ofereceu aumento de 3,64%, limitado à inflação.

Leia mais:

Próvisão regulariza documentação e volta a atender pelo SUS em São José

Adutora da Sabesp rompe e jorra água há mais de 24 horas em São José

Litoral recebe 700 PMs e 200 guarda-vidas para a Operação Verão