urna_fim 

Como a população do país inteiro, os brasileiros que moram na região Metropolitana do Vale do Paraíba renovam as esperanças de otimismo com a chegada do novo ano.

Se em relação à administração pública pouca coisa mudou de dois anos para cá com a posse dos novos prefeitos e vereadores, desta vez o exercício democrático estabeleceu uma nova ordem na concepção de fazer política, começando com a repulsa total à aqueles que sempre encontraram um jeitinho de ganhar a confiança(voto) do eleitor com promessas, as quais "não colam mais". Barrados nas urnas agora, deputados federais, estaduais, senadores e pretendentes ao governo federal e dos estados, resta saber se o tsunami reprovatório tornará a acontecer no âmbito municipal. Falta menos de dois anos...

Há quem garanta que o basta do eleitor se repetirá nas eleições de 2020, quando então a depuração vai se completar, fechando assim um ciclo da real mudança no comportamento do eleitor. O que interessa para toda a comunidade é a certeza do que parecia impossível com o voto: a reprovação à mentira, à falta de incompetência e ao desrespeito. O mau uso do dinheiro público, as mordomias e abusos nos cargos foram itens analisados e avaliados e o resultado foi um "não volte", um "fora daqui" para pelo menos 50% dos postulantes à reeleição. O recado foi dado. Um ótimo começo que obriga muitos a deixarem as barbas de molho, se não quiserem se juntar ao grupo dos barrados no baile.

A necessidade de valorização do voto, objetivando acabar com a velha prática da política suja é algo indiscutível. Mas também é necessário que esses 50% de novos representantes públicos que começam a mostrar em breve a que vieram, não sejam picados pela mosca azul do poder e realmente ajudem a implantar uma nova ordem política em toda a região.