O mito da Miss EUA

Miss EUA.jpeg

Miss EUA Sarah Rose Summers

Divulgação

Dando continuidade à nossa cobertura do Miss Brasil 2018, na noite desta segunda-feira (21-05), foi eleita a Miss Estados Unidos, representante do estado de Nebraska, Sarah Rose Summers.

Este pode ser um fator relevante na escolha da representante brasileira para a competição universal.

E você deve estar se perguntando agora: mas por quê?

Existe um mito de que a organização do MB se baseia na escolha da Miss EUA para eleger a sua representante. Coincidência ou não, desde 2014 que as nossas misses têm o mesmo biotipo ou características muito semelhantes às misses norte-americanas, como etnia, cor do cabelo etc (basta ver na imagem abaixo).

Misses Eua X Misses Brasil.jpeg

De cima para baixo da esquerda para a direita: a atual Miss Estados Unidos e as misses EUA X Brasil ao longo dos últimos anos

Divulgação/ foto montagem Renan Rezende

Fãs e missólogos espalhados Brasil (e mundo) afora acreditam muito que não seja um mero acaso do destino. Vejam o exemplo da miss Raissa Santana, eleita em 2016. Havia trinta anos que uma mulher negra não era eleita Miss Brasil, e ela vem justamente no ano em que Deshauna Barber leva a coroa dos Estados Unidos. No ano seguinte, 2017, mais duas negras são eleitas em ambos os países: Monalysa Alcântara e Kára McCullough. De forma alguma tirando o mérito da vitória das nossas duas representantes (duas das melhores já eleitas, por sinal), mas a coincidência realmente é enorme. A suspeita de um “plágio” aos Estados Unidos veio em 2015, com a eleição das loiras Marthina Brandt aqui e Olivia Jordan lá, se intensificando nos anos seguintes.

Neste ano de 2018, isso ainda ficou mais nítido para aqueles que acreditam nessa “teoria da conspiração” após a organização dos Miss Brasil alterar a data do concurso de 19 para 26 de maio. Se fosse no dia 19, nós elegeríamos nossa miss antes dos EUA.
Se fôssemos acreditar em tudo isso, com base na nova miss norte-americana, teríamos duas misses em potencial para levar a coroa: Ceará (Teresa Santos) e Rio Grande do Sul (Leonora Weimer). Como disse no último artigo publicado aqui no MEON, não me surpreenderia em vê-las despontando no Top 5. A representante gaúcha, principalmente, vem ganhando muito destaque nas redes sociais, e beleza as duas têm de sobra. Não há como definir uma vencedora, as meninas estão mostrando muita competência neste período de confinamento.

Miss EUA e suas sósias brasileiras.jpeg

Acima a Miss EUA Sarah Rose Summers e suas "sósias brasileiras" Miss Rio G. Sul (Leonora Weimer) e Miss Ceará (Teresa Santos)

Diculgação/foto montagem Renan Rezende

Brincadeiras à parte, vamos ver se o “mito” se confirma no próximo sábado, 26, na grande final do Miss Brasil. Se perguntarem se eu acredito nisso, a resposta é: NÃO.

A eleição de todas nossas representantes nacionais sempre foram justas, e como já havia dito, concurso de miss se vence no dia, não importando favoritismo, previsões ou até... lendas urbanas.

Essa é só uma curiosidade que permeia o mundo miss, deixando as apostas mais interessantes e até divertidas.