rebeliao_tropa_de_choque_1

Detentos rebelados fizeram dois agentes e 11 voluntários evangélicos reféns 

Colaboração/ O que podemos fazer para melhorar Taubatéfo





Os seis reféns que permaneciam em poder dos presos rebelados por mais de 28 horas no CDP (Centro de Detenção Provisória) de Taubaté foram liberados entre 19h26 e 19h35 desta quinta-feira. A SAP (Secretaria de Administração Penitenciária) não informou se há feridos.

Foram liberados quatro voluntários evangélicos às 19h26 e dois agentes penitenciários, às 19h35.

Eles eram mantidos reféns desde as 15h de quarta-feira, junto com outros sete religiosos. Os voluntários rendidos são ligados às igrejas 'Assembleia de Deus', 'Cristo é Luz é Vida' e 'Capelania de Taubaté'. Inicialmente, a SAP havia informado que eram 14 reféns --dois agentes e 12 voluntários, mas a contagem estava errada.

A negociação com os detentos foi coordenada pela juíza Sueli Zeraik, corregedora dos presídios da região, com apoio de membros do Ministério Público. As reivindicações dos detentos não foram reveladas nem se serão atendidas pelo Estado.

Com a liberação dos reféns, o Estado se prepara para assumir o controle do presídio. A secretaria não revelou detalhes de como será a ação ou se haverá transferência de presos para outras unidades, já que muitas celas foram destruídas.

De acordo com entrevista de uma refém libertada no final da tarde de quarta-feira, um dos agentes foi ferido por detentos.

O Meon apurou que a liberação teria sido negociada em troca de água e comida. O fornecimento de energia elétrica e água ao presídio foi suspenso logo após o incío da rebelião.