Um professor foi demitido após criticar e xingar o presidente Jair Bolsonaro em uma sala de aula do Colégio Poliedro, em São José dos Campos, na última terça-feira (16). A manifestação do professor foi gravada por um aluno e postado em redes sociais.

No trecho gravado, ao falar sobre ditadura, o professor aborda a eleição do presidente, levanta dúvidas sobre o uso das redes sociais durante a campanha, chama Bolsonaro de ‘imbecil’ e diz que o governo ignora as minorias.

“Ele foi eleito pela maioria, foi democracia,  mas, lógico, pilantreando no Facebook e no Whatsapp [...] Mas o pior é quando a maioria ganha e quer que a outra parte se F*, quando a maioria ganha e quer que o preto se ferre, que o pobre se ferre, que o gay se ferre, que a mulher se ferre, aí é pior que uma ditadura. [...] Estamos vivendo um momento em que colocaram um imbecil lá”, disse o professor, que não teve o nome revelado pela direção do Poliedro.

Ele também lembrou o discurso em Libras (Língua Brasileira de Sinais) da primeira-dama Michelle Bolsonaro, durante a cerimônia de posse do presidente.

“Lembra que a mulher dele foi lá, linda fazer discurso pra surdo? o que ele fez no dia seguinte? ele excluiu a pasta que cuida dos direitos todos os surdos. Não,mas você achou bonito pra c*ela falando em libra, né? Sua mãe não pirou? O seu pai: ‘Olha a mulher do presidente fala até em Libras’. Mas no dia seguinte ele foi lá e cortou”, disse o professor.

Após a postagem do vídeo nas redes sociais, o vídeo viralizou entre os pais e estudantes do Colégio Poliedro. Nesta quinta-feira (18), a direção da escola anunciou a demissão do professor.

De acordo com nota enviada pelo colégio (veja íntegra abaixo), a gravação da aula também contraria as regras da instituição, mas o Poliedro não informou se o estudante que publicou o vídeo nas redes sociais foi identificado ou penalizado.

O Poliedro não informou o nome do professor nem disciplina que ele lecionava na aula gravada. Também não foi informado o nível escolar dos estudantes ou se houve alguma punição ao aluno que contrariou nas normas da escola


Veja abaixo nota enviada pela direção do Poliedro sobre o caso:

“As diretrizes do Colégio são amplamente esclarecidas no processo de contratação de professores e também durante as reuniões pedagógicas. A instituição zela pelo ambiente de aprendizagem e estabelece regras para professores e alunos. As orientações incluem usar uma linguagem adequada ao ambiente acadêmico e também indicações explícitas sobre o não posicionamento político-partidário ou ideológico que possam provocar qualquer compreensão equivocada sobre aquilo que é conteúdo programático da disciplina e aquilo que é opinião do professor.

Em virtude dos pontos mencionados, o docente foi desligado da instituição. Independentemente do posicionamento pessoal do professor, o que buscamos foi nos manter dentro dos princípios e valores da instituição.

Reiteramos que a escola é um espaço para a pluralidade de ideias e para o diálogo, que favoreça o desenvolvimento intelectual e ajude o aluno a formar suas próprias convicções com respeito a visões divergentes.

A Direção destaca que não é permitido, sem autorização do professor, que os alunos usem aparelhos eletrônicos para gravar ou filmar as aulas e tampouco aprova qualquer atitude que possa coibir a atividade docente em suas diferentes dimensões.

O Poliedro reitera sua seriedade e comprometimento com a educação dos alunos e a formação de bons cidadãos.”