O presidente Jair Bolsonaro anunciou no in[icio da noite desta quinta-feira (10) que dará aval ao acordo entre a Embraer e a empresa norte-americana Boeing. O presidente se reuniu nesta tarde com representantes do ministérios da Defesa, Ciência e Tecnologia, Relações Exteriores e Economia para discutir o acordo.

"Ficou claro que a soberania e os interesses da Nação estão preservados. A União não se opõe ao andamento do processo", disse Bolsonaro.

Na última sexta-feira (4), Bolsonaro levantou dúvidas sobre seu posicionamento com relação ao acordo. 

A Embraer divulgou uma nota na noite desta quinta-feira confirmando a aprovação do acordo pelo governo brasileiro e informando que a negociação só será consumada após autorização do Conselho de Administração e dos acionistas da empresa brasileira, e aval dos órgãos nacionais e internacionais que regulamentam o mercado. 

Veja abaixo íntegra do comunicado assinado pelo vice-presidente executivo Financeiro e Relações com Investidores da Embraer, Nelson Krahenbuhl Salgado:

"Embraer S.A. (“Companhia” ou “Embraer”), em complemento ao Fato Relevante divulgado pela Companhia em 17 de dezembro de 2018 (“Fato Relevante”), vem comunicar que, nesta data, a União manifestou-se favoravelmente à aprovação da parceria estratégica entre a Embraer e The Boeing Co., nos termos divulgados pelo Fato Relevante (a “Operação”). 

A Operação só será consumada após ratificação, pelo Conselho de Administração da Companhia, das deliberações tomadas em 17 de dezembro de 2018 e autorização para celebração do Master Transaction Agreement, do Contribution Agreement e dos demais documentos necessários para implementação da Operação;  deliberação e aprovação da Operação pelos acionistas da Embraer em Assembleia Geral Extraordinária; aprovação por autoridades concorrenciais brasileiras, dos Estados Unidos da América e de outras jurisdições aplicáveis; e satisfação de outras condições usuais em operações desta natureza. 

Leia mais:

Embraer ficará com 20% da empresa que será criada com a Boeing
Acordo libera Boeing para vender 'Embraer' após 10 anos de contrato
Após 49 anos, São José dos Campos vai deixar de ser a sede da Embraer