Prefeito Marcio Tenorio, de Ilhabela, participa de reunião realizada nesta sexta-feira (11) em São Paulo

Prefeito Marcio Tenorio, de Ilhabela, participa de reunião sobre abastecimento realizada nesta sexta-feira em São Paulo

Divulgação



Os problemas de desabastecimento de água e excesso de praias poluídas desde o início da temporada de verão fizeram com que o prefeito de Ilhabela, Márcio Tenório, se reunisse com o novo diretor de Sistemas Regionais da Sabesp, Ricardo Borsari, e com o superintendente da Sabesp no Litoral Norte, José Bosco Fernandes de Castro.

Ele cobrou soluções de curto, médio e longos prazos para manter a segurança dos sistemas de abastecimento de água à população e da ampliação da coleta e tratamento de esgoto para garantir a balneabilidade das praias e investimentos que assegurem ainda mais qualidade de vida ao arquipélago.

No começo desta semana, Tenório e Bosco já haviam se reunido para tratar do abastecimento nos próximos dias de férias e feriados prolongados. A ampliação da captação na Cachoeira do Paquetá para aumentar a produção de água e fazer a troca da rede adutora foi uma das alternativas apontadas.

Para a Sabesp, essas e outras medidas visam evitar os problemas identificados nos últimos dias. “Em condições normais Ilhabela utiliza apenas um caminhão-pipa, mas nesse final de ano acrescentamos mais cinco e logo após o excesso de contingente, no último final de semana, tivemos que utilizar um total de oito veículos e mais um no sábado para atender as cotas elevadas”, explicou o superintendente.

O diretor da Sabesp se comprometeu a entregar, até a primeira semana de fevereiro, o plano de contingência para o Carnaval e ceder todos os projetos prontos que permitem universalizar o saneamento da cidade nos próximos seis anos.

Entre os projetos, estão o executivo do Sistema de Abastecimento de Água para Ilhabela que prevê a instalação de reservatórios de água, além do sistema de dessalinização, que será executado pela Sabesp no bairro Água Branca, já em licenciamento na Cetesb.

Para o Carnaval, o Plano de Contingência para curto, médio e longo prazo, prevê a liberação de oito caminhões-pipas e a captação de reforço no Córrego do Paquera no bairro Toca, mais oito caminhões-pipas e geradores para evitar falta de energia e queda de tensão.
Para Borsari, é correto investir na redução do prazo de universalização do saneamento no arquipélago. "É muito importante receber um prefeito com um planejamento voltado ao saneamento. Assumimos o compromisso de acelerar todas as iniciativas e liberar todos os projetos necessários”.

Tenório reiterou o desafio de sua gestão em acelerar os investimentos para recuperar a falta de investimentos de quase duas décadas em saneamento. “Queremos avançar nos projetos, obras iniciadas e em andamento para assegurar segurança ao sistema de abastecimento de água e balneabilidade de nossas praias. Estamos trabalhando muito para vencer esse desafio”.

Junto com o prefeito, participaram da reunião o gestor de Sustentabilidade Ambiental da Prefeitura, Ronaldo Monteiro, o assessor Marcos Pineda e as secretárias de Planejamento e Gestão Estratégica e de Meio Ambiente, Juliana Louro e Maria Salete Magalhães, respectivamente.

Poluição
Os ataques nas redes sociais em relação à balneabilidade das praias – 18 das 189 monitoradas estão poluídas – fez a Sabesp emitir uma nota onde explica que trabalha continuamente para garantir a qualidade dos serviços prestados aos moradores, veranistas e turistas.

Segundo a concessionária, os planos de investimento a serem executados ao longo dos próximos seis anos somam R$ 160 milhões, sendo cerca de R$ 90 milhões para reforço do sistema de abastecimento e R$ 70 milhões para coleta e tratamento de esgotos, universalizando o atendimento no município.

A empresa destaca, ainda que a prática comum no Litoral Norte, do uso de fontes alternativas de abastecimento de água, como a captação direta de cachoeiras, bicas, rios e poços, interfere e compromete a qualidade garantida pela Sabesp quando misturadas ao seu produto.

Quando ao saneamento, a Sabesp esclarece que conta com a Estação de Pré-condicionamento (EPC) Itaquanduba, que recebe e trata os efluentes coletados em toda região central do município, e a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Praia do Pinto, que atende a comunidade dos bairros Pinto e Ponta Azeda.

“Ressaltamos que são utilizadas técnicas operacionais reconhecidas internacionalmente, a cada etapa do processo de tratamento de água e esgoto, mantendo estações legalmente licenciadas e monitoradas pelos órgãos fiscalizadores”.

A nota encerra esclarecendo que há outros fatores determinantes para a qualidade das praias, entre eles, a poluição difusa, formada pelo lixo, chorume e dejetos de animais descartados nas ruas. “Todo este material é carregado pela chuva e vai para o sistema de drenagem urbana até que alcance córregos e canais que deságuam no mar. Há também as áreas de moradias irregulares, onde a Sabesp é impedida por lei de prestar serviços de saneamento, e que fazem todo tipo de descarte nos corpos hídricos”.