secretário de proteção ao cidadão, Antero Alves Baraldo,

Secretário de Proteção ao Cidadão, Antero Alves Baraldo, na Web TV Meon

Reprodução/Web TV Meon

Os órgãos de segurança de São José dos Campos vem há mais de 2 anos trabalhando no controle dos 'fluxos' em diferentes regiões da cidade. Os eventos organizados pelas redes sociais, que reúnem centenas de jovens em um mesmo local, normalmente em grandes avenidas, foi apontado como um aspecto cultural pelo secretário de Proteção ao Cidadão, Antero Alves Baraldo, que garantiu a continuidade na atuação para coibir as suas realização, mas tem certeza de que que os “fluxos nunca vão deixar de existir”.

"Após um ano a frente da secretaria e início das ações contra o 'fluxo', não temos mais nenhum dos locais mapeados no início do ano passado com novas ocorrências. Evidente, que é próprio da natureza humana, isso vai migrando para outros bairro, horários e locais. E o nosso trabalho é mapear, acompanhar e tentar chegar antes para que eles não ocorram. Mas o fato é, isso não vai acabar. Por trás desse comportamento e desse eventos, temos um aspecto cultural, principalmente dos jovens", declara o secretário.

À frente da pasta desde março de 2017, Antero junto da fiscalização da prefeitura, da Guarda Civil Municipal, ao lado da Polícia Militar e outros orgãos policiais, já realizaram milhares de ações para conter esse eventos. Entretanto, o secretário enxerga como uma construção cultural, que deve ser compreendida e coordenada de forma saudável.

A simples fiscalização pela prefeitura não vai impedir que aconteça. Não vai acabar com os fluxos"

Antero BaraldoSecretário de Proteção ao Cidadão de São José

"Viver em sociedade hoje se tornou uma prática muito mais complexa. Essa mudança da estrutura social implica na mudança dos hábitos e das regras de convívio, aí é nessa hora que entra o poder público constituído, em todas as esferas, para garantir o direito e a liberdade de todos. A fiscalização de posturas atua exatamente nisso", explica Baraldo, que ainda descreveu a sua percepção sobre o comportamento dos frequentadores dos fluxos.

"Hoje os jovens se falam muito rápido. Se falam pelas mídias, gostam de ouvir música, muitas vezes em volume alto, alguns têm o hábito do consumo de bebidas, e tudo isso é divulgado de forma quase instantânea pelas mídias sociais. Por se tratar de um aspecto cultural, a simples fiscalização pela prefeitura não vai impedir que aconteça. Não vai acabar com os fluxos. Por isso trabalhamos muito, de forma conjunta entre todos os órgãos, para tentar reduzir isso, e garantir o direito e espaço de todos", conta.

O secretário de Proteção ao Cidadão de São José dos Campos também falou sobre a atuação da Defesa Civil, da Guarda Civil Municipal e de outros temas referentes a pasta. Confira abaixo a entrevista na íntegra: