embraer_foto_reproducao_embraer

Aviões produzidos pela Embraer 

Reprodução/Embraer

Na presença de mais de 2.000 pessoas, entre funcionários, autoridades e parceiros comerciais, a Embraer celebrou na manhã desta segunda-feira (19) o aniversário de 50 anos de fundação, na sede da empresa, em São José dos Campos.

O evento teve início às 9h, com encontro de todos os colaboradores da fabricante de aeronaves, próximo à pista de voo e decolagem. A abertura oficial da cerimônia se deu com a apresentação da esquadrilha da fumaça de São José.

Com um discurso de gratidão e reconhecimento, o presidente e CEO da Embraer Francisco Gomes Neto subiu ao palco cerca de meia hora depois da abertura do evento. 

“Vocês são o corpo, a mente e a alma desta empresa. Essa atitude diária, esse jeito de ser e fazer, são responsáveis por transformar a Embraer num sinônimo de excelência e inovação. E agora, com as novas parcerias, com a Boeing, novos horizontes vão se abrir para o nosso crescimento para os próximos 50 anos”, disse.

Um dos fundadores da Embraer, que será homenageado, nesta segunda-feira, pela Assembleia Legislativa de São Paulo, Ozires Silva comparou a Embraer de hoje com a aquela de 50 anos atrás.

“Meus caros amigos eu não estou aqui, estou em outro lugar e vejo o que foi feito aqui nesses 50 anos. Foram 50 anos de sofrimento, esforço e vitórias, mas o que estamos vendo aqui cede a tudo o que vimos antes, sobretudo aqueles que estão no seio da produção desde o stand do projeto até a colocação final. Nós temos novos desafios agora e, sinceramente, há 50 anos eu não imaginava que teríamos desafios das dimensões que temos pela frente. Se há 50 anos alguém perguntasse o que nós seríamos hoje acho que ninguém poderia imaginar o que está acontecendo agora. Estou muito emocionado”, declarou.

Este ano não será marcado apenas pelos anos de atuação da Embraer, mas em breve a sede da empresa em São José dos Campos passará a ser propriedade da Boeing, que comprou 80% da divisão de jatos comerciais da fabricante de aeronaves brasileira. A norte-americana aguarda apenas autorização dos órgãos reguladores internacionais para assumir a planta em São José dos Campos e iniciar a produção de aviões em solo brasileiro.

A Embraer continuará com a produzir jatos executivos e aviões para a área de defesa, como o cargueiro KC-390, em sua fábrica em Gavião Peixoto, a investir em novos negócios, como tecnologia espacial e carros voadores. Parte desse trabalho será possível também com a ampliação da unidade de Eugênio de Melo, na zona leste de São José dos Campos, que vai receber R$ 120 milhões para a sua expansão

De acordo com a Embraer, com a ampliação, a unidade Eugênio de Melo se transformará em um centro global de engenharia e tecnologia da fabricante, para o desenvolvimento de projetos e soluções no setor de defesa e segurança, mobilidade aérea, aeroespacial entre outros negócios de base tecnológica.