gcm_taubate_divulacao

Guardas devem atuar no registro de Boletins de Ocorrência em Taubaté

Divulgação/PMT



Agentes da Guarda Civil Municipal de Taubaté poderão atuar, ainda este ano, em conjunto com a Polícia Civil da cidade com a criação de uma "central de flagrante".

O plano foi desenhado após a prefeitura e a polícia assinarem um convênio na segunda-feira (7) para cessão de pessoal, veículos e outros materiais à corporação.


O acordo foi feito baseado em uma lei promulgada em janeiro deste ano, de autoria do deputado estadual Delegado Olim (PP), que autoriza o Estado a celebrar convênios com os municípios para parcerias com polícias militar e civil.
De acordo com o secretário de Segurança de Taubaté, Euclides Maciel, o objetivo é disponibilizar entre 8 e 12 agentes em regime de 24 horas para o trabalho de registro de flagrantes no 1º Distrito Policial de Taubaté, criando uma "central de flagrante".

"Eles serão treinados pela Polícia Civil para elaborar os Boletins de Ocorrência. A ideia é que, com isso, os policiais sejam liberados para ajudar em investigações de crimes", afirmou Maciel.

Ainda segundo o secretário, o convênio ainda deve colocar uma psicóloga na DDM (Delegacia da Mulher) para atendimento de crianças e adolescentes vítimas de abusos sexuais.

Para o delegado seccional de Taubaté, José Antônio de Paiva, a medida pode abrir espaços para outras ações envolvendo polícia civil e prefeitura possam acontecer.
"O trabalho principal da Polícia Civil é a investigação, mas também temos o trabalho de recepção de ocorrência, que pode ser feito pela guarda municipal. Eu acredito que essa atitude seja pioneira", disse o delegado.

O documento do acordo entre a prefeitura e a polícia civil foi encaminhado para autorização do secretário de Segurança Pública do Estado, general João Camilo Pires de Campos.