pindamonhangaba_foto_divulgacao_pmp

Esta será a asegunda adiência para debater o serviço na cidade

Arquivo/Meon



A Câmara de Pindamonhangaba realiza nesta terça-feira (20) uma audiência pública para discutir a regulamentação do Uber na cidade.

A audiência está marcada para acontecer às 19h. Este é o segundo encontro sobre o tema no município. O primeiro aconteceu em 2017.


O novo debate foi proposto pelo vereador Rafael Goffi (PSDB) após pedidos de taxistas que trabalham em Pindamonhangaba. A intenção é debater soluções para a regularização dos aplicativos de transporte de passageiros na cidade e acabar com o transporte clandestino de passageiros.
"A nossa primeira audiência pública, em 2017, foi muito boa. Encaminhamos para a prefeitura o resultado e, depois, um requerimento pedindo explicações sobre a regularização do serviço na cidade. Eles disseram que não teve procura de motoristas", explicou Goffi.

"Hoje, a situação que nós temos aqui é que motoristas estacionam o carro perto dos pontos de ônibus, ficam chamando passageiros oferecendo corrida muitas vezes cobrando um valor menor do que a da passagem de ônibus. E a prefeitura está omissa quanto à fiscalização", completou.

Durante o encontro, estarão representantes dos taxistas, da empresa ônibus Viva Pinda, além de motoristas que trabalham com Uber. O secretário de Segurança do município, José Sodário Viana e a diretora de Trânsito, Luciana Viana, também foram convocados.
Para Fábio Honório, representante dos taxistas de Pindamonhangaba, não existe briga entre a categoria com os motoristas de Uber. O objetivo é ter uma lei que atenda a todos. Os taxistas querem que seja feita uma lei baseada na que existe em Lorena.

"Nós queremos somar. Todas as cidades da região possuem uma legislação específica, mas Pinda não. Em Lorena, por exemplo, é regulamentado que os motoristas de Uber sejam 15% do total de taxistas. Aqui nós aceitamos que seja 50%. Mas queremos que tenha a lei", afirmou Honório. Atualmente, cerca de 60 taxistas trabalham na cidade.


Outro lado
O Meon entrou em contado com a Prefeitura de Pindamonhangaba e com a Uber, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição.