Eleitor na urna votação

O ex-prefeito da capital João Doria (PSDB) e o atual governador de São Paulo, Márcio França (PSB), têm "inflado" os minutos no horário eleitoral gratuito conquistados por eles por meio das alianças partidárias já anunciadas. Ambos afirmam em coletivas e discursos terem somado mais de 18 minutos cada um de tempo de TV. A quantidade é o dobro do tempo real que cada um terá por dia para expor suas ideias. De acordo com levantamento feito pelo Estadão Dados, ambos teriam, hoje, cerca de 8 minutos de exposição.

As regras válidas para a eleição de outubro e os apoios anunciados por França e Doria colocam os dois empatados no quesito palanque eletrônico. Somados os dois blocos do horário eleitoral reservados aos candidatos a governador, de 9 minutos cada, e as inserções diárias a que terão direito a partir das coligações formadas, o governador alcança cerca de 8 minutos e 10 segundos e o tucano, cerca de 7 minutos e 50 segundos.

O que explica a diferença entre o divulgado - França diz ter "mais de 20 minutos" e Doria, 18 minutos e 41 segundos - e o assegurado segundo a legislação é a forma como os pré-candidatos fazem a conta. Tanto França como Doria consideram como seus os tempos dedicados às campanhas proporcionais, ou seja, de deputados federais e estaduais.

"A gente soma o tempo total das quatro candidaturas: governador, senador, deputado estadual e federal. Não acho errado. A linguagem de TV passa a ser uma só. Por exemplo, entra o deputado estadual lá na tela e fala o seguinte: 'O Márcio França foi o grande líder de SP que ajudou a resolver problemas dos caminhoneiros. Estou com ele'. Indiretamente ele usa o mesmo tempo dele para falar de mim e quem paga o tempo de todos os deputados e senadores é o candidato a governador", disse França.

"Na verdade, o João (Doria) diz que o PSDB vai ter 18 minutos, não a campanha dele. Isso inclui todas as candidaturas, mas é lógico que isso influencia e ajuda na campanha majoritária", afirmou o advogado Flávio Henrique Costa Pereira, que coordena a área jurídica da campanha tucana. Procurado pela reportagem, o ex-prefeito João Doria não quis comentar.

Descarte

Para a definição do tempo de cada candidato, a legislação eleitoral estipula que sejam considerados apenas os minutos atribuídos aos seis maiores partidos.

O tempo dos demais é descartado. Desta forma, apesar de França ter anunciado 14 legendas em sua coligação eleitoral até aqui, os que somaram tempo ao governador foram PR, SD, PSC, PPS e PROS, além do próprio PSB. Já a conta de Doria foi feita com a junção dos tempos do PSD, PRB e PTC, além do PSDB.

O tempo de TV é determinado conforme o tamanho das bancadas do partido na Câmara dos Deputados no início da legislatura, em 2015.

Com as pré-candidaturas de Paulo Skaf (MDB) e Luiz Marinho (PT) confirmadas, a briga em São Paulo pelo maior tempo de TV será definida por dois partidos: PP e DEM.

Até o momento, existem oito pré-candidaturas apresentadas na disputa pelo governo.

Disputa

O PP e o DEM estavam negociando em São Paulo como um bloco únicos, mas devem se dividir entre França e Doria.

A expectativa no PP é fechar na semana que vem o apoio ao atual governador, que cogita entregar a vaga de vice ao deputado estadual Delegado Olim (PP). Essa opção, segundo aliados de França, ajudaria a fortalecer o discurso da Segurança Pública na campanha.

O ex-prefeito João Doria, por sua vez, está mais próximo do DEM e já teria oferecido a vaga de vice em sua chapa ao deputado federal Rodrigo Garcia (DEM-SP).

A última pesquisa Ibope/Band, divulgada no dia 28 de maio, mostrou o tucano na liderança com 22% das intenções de voto, contra 15% de Paulo Skaf (MDB), 4% de Luiz Marinho (PT) e 3% de França (PSB).

Na disputa por alianças partidárias, França perdeu na quarta-feira o apoio do Avante, partido que conta com 5 deputados federais.

Segundo o presidente da legenda, Josué Tavares, o Avante quer abrir as negociações com Doria na semana que vem.

Márcio França, por sua vez, tem conversado com dirigentes do PCdoB e do PDT e pode contar com os dois partidos em sua chapa, o que isolaria o PT na disputa estadual.

Aliados do governador, que assumiu o cargo após a renúncia de Geraldo Alckmin para disputar à Presidência, temem que um acordo com as siglas de esquerda espante o eleitor de Alckmin. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.