O próximo fim de semana promete muito Surf em Ubatuba. Entre os dias 18 e 20 de maio, a praia de Itamambuca recebe diversos atletas de categoria de base que disputam a primeira etapa do Hang Loose Surf Attack 2018.

Apesar do ranking ser paulista, a competição atrai surfistas de todo o litoral brasileiro. Prova disso é que a etapa de abertura do circuito já tem confirmados atletas de 10 estados, como Santa Catarina, Ceará, Sergipe, Paraíba, Rio Grande do Norte, Bahia, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Paraná.

“Esse é um campeonato de grande importância para a gente e para o surf brasileiro, porque reúne os melhores surfistas, desde a primeira categoria, e eles vão evoluindo, aprendendo a competir. É realmente a base do surf no Brasil”, comentou o empresário Álfio Lagnado.

Como o surf é um esporte olímpico, a organização entendeu que existe a necessidade de apoiar e desenvolver o esporte entre as meninas. Dessa forma, o Circuito passa a ter, também, a categoria feminina sub16. Junto com a feminina, as categorias masculinas sub18, sub16, sub14, sub12 e sub10.

“Um dos grandes desafios para quem organiza um campeonato de sucesso há três décadas é fazer com que o evento sempre traga novidades e se reinvente. Porém, mantendo suas características que garantiram esse reconhecimento”, afirmou o diretor-técnico e organizador, Marcos Bukão.

Ele complementou, destacando o aumento definitivo das etapas de dois para três dias, a fim de atender a um número maior de surfistas. “Embora ainda exista uma certa dificuldade em se obter uma vaga, inegavelmente, se passar de um limite de 150 para 236 surfistas já deixa bem menos gente de fora. E, sem dúvida, a grande novidade é a estreia da categoria feminina. Agora é anotar os nomes que surgirão nessa temporada e conferir a escrita no WCT daqui a alguns anos, assim como em futuras olimpíadas”, disse.

Etapas e retrospectiva

O Hang Loose Surf Attack 2018 terá quatro etapas no total. Na disputa individual, valerão os três melhores resultados para definir os campeões; já no páreo por cidades, serão somadas as pontuações de todos eventos. Depois de Ubatuba, a próxima etapa acontece de 27 a 29 de julho, em São Sebastião.

Ubatuba participa com 31 atletas com vagas garantidas – mas ainda existe fila de espera, caso surjam mais oportunidades.

No ano passado, o Hang Loose Surf Attack teve como campeões dois atletas de outros estados. O catarinense Wallace Vasco faturou a sub18 e ainda foi o vice na sub16, que teve como campeão o ubatubense radicado em Maresias, Daniel Adisaka. Na sub14, mais um título para outro estado, com o cearense radicado no RJ, Cauã Costa, na menor diferença da temporada, apenas nove pontos à frente de Diego Aguiar, de Ubatuba. Já na sub12, Ryan Kainalo, surfista de São Paulo – que agora mora em Ubatuba, manteve a serie de títulos (já havia sido bicampeão na sub10). Entre os caçulas com até 10 anos, Daniel Duarte, de Bertioga, foi o campeão.

Ubatuba faturou, mais uma vez, a disputa por cidades. Em 2018, o município busca o tri-campeonato.

“O Hang Loose é uma escola de competição na prática. Os melhores surfistas passaram pelo Circuito e continuamos sempre atraindo os principais nomes. Tivemos Gabriel Medina, Adriano de Souza, Filipe Toledo como grandes nomes nessa trajetória, junto com outros atletas que sempre representaram muito bem o Brasil”, lembrou o presidente da Federação Paulista de Surf, Silvio da Silva, o Silvério.

cz_054

Na foto (de José Mario/High Fly Brasil/Secreataria de Comunicação de Ubatuba), a Praia de Itamambuca, da primeira etapa do Hang Loose Surf Atack.