O Taubaté Vôlei tem a chance de conquistar um inédito título internacional e diante da torcida. Em Taubaté neste início de semana, serão disputadas as rodadas semifinal e final da primeira Libertadores da América de vôlei masculino.

A competição começou no final do ano passado com quatro times do Brasil e quatro da Argentina. Estiveram divididos em dois grupos de dois brasileiros e dois argentinos cada. Os times se enfrentaram dentro do próprio grupo, mas com a classificação geral definindo os quatro semifinalistas.

Dos brasileiros, o Cruzeiro foi o único que não conseguiu avançar às semifinais e dos argentinos, o Bolivar Voley passou a ser o único representante na reta decisiva. Os quatro qualificados foram para uma chamada final four, de rodadas semifinal e final na mesma sede, em Taubaté, no ginásio do Abaeté.

Nesta terça-feira, na rodada semifinal, Sesi-SP e Sesc-RJ se enfrentam na preliminar, às 19h. Depois, às 21h, o Taubaté jogará contra o Bolivar. Os dois vencedores das semifinais decidirão o título na quarta-feira, às 19h. Antes, às 14h45, os perdedores jogarão pelo terceiro lugar.

Confiante

O Taubaté entra na disputa vivendo um dos seus melhores momentos na temporada. Aos poucos, o time foi crescendo na Superliga e saltou da quarta para a segunda colocação, ultrapassando Sesi e Sesc. No momento, persegue o líder Cruzeiro.

A instabilidade que atrapalhou o rendimento da equipe em algumas partidas tem surgido somente em alguns momentos. E quando o jogo fica mais favorável ao adversário, a capacidade de reação vem resolvendo problemas que custaram pontos preciosos em jogos passados.

Na fase de grupos, contra argentinos, o Taubaté teve três vitórias e uma derrota. Na Argentina, fez 3 a 2 no UPCN San Juan e 3 a 0 no Libertad Burgi. Depois, em casa, perdeu para o UPNC por 3 a 1 e fez 3 a 0 no Libertad.

“Jogar contra os times argentinos é sempre um desafio e nos força a nos adaptar em alguns fundamentos. O voleibol que eles praticam é diferente do que nós estamos acostumados aqui no Brasil. Enquanto contra equipe brasileira o jogo é muito sustentado pela força e poderio de ataque, nas equipes argentinas o jogo é mais técnico, é um outro voleibol, de muita defesa, passe efetivo, etc. Mas nós estamos focados, e já jogamos contra outros times argentinos nessa Libertadores. Vamos contar com a força da nossa torcida, jogando em casa, e temos tudo para fazer um bom jogo e sair com a vitória e a vaga na final”, comentou o levantador Rapha.

O Bolivar antecipou algumas partidas do Campeonato Argentino para poder sair do país e disputar a reta final de Libertadores. A pontuação já alcançada deverá posicionar a equipe na terceira posição da classificação final da primeira fase.

cs_029

O time

O técnico Daniel Castellani não antecipou a escalação taubateana. Provavelmente, o time iniciará o jogo com: Uriarte (levantador), Robinho (central), Douglas Souza (ponteiro), Lucarelli (ponteiro), Lucão (central), Vissoto (oposto) e Thales (líbero). No entanto, Rapha (levantador), Athos (central), Facundo Conte (ponteiro) e Abouba (oposto) chegaram a ser titulares em partidas recentes. Também seriam opções: Luís Fernando (ponteiro), Rodrigo (ponteiro), Renan (central), Aldren (líbero) e Fabiano (levantador). O único desfalque continua sendo o central Otávio que ainda não voltou de cirurgia.

Os ingressos para as duas rodadas já foram disponibilizados e levados pelos torcedores. A outra opção para assistir ao jogos é a transmissão anunciada pelo canal SporTV 2.

cs_031

Nas imagens, Lucarelli, Thales, Athos, Uriarte, Conte e Vissoto comemorado ponto em uma das partidas do time taubateano pela Superliga (foto de Rafinha Oliveira/EMS Taubaté Fuvic) e o Bolivar atacando um adversário pelo Campeonato Argentino (foto de Bolivar Voley/Divulgação).