Antes de a seleção brasileira feminina de vôlei estrear na Liga das Nações nesta terça-feira, contra a Alemanha, às 15h05, no ginásio José Corrêa, em Barueri (SP), o técnico José Roberto Guimarães ressaltou nesta segunda que pretende promover uma série de testes na equipe nacional ao longo da competição.

Em meio a este ciclo que visa principalmente os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020, a Liga dos Nações viverá a sua primeira edição e entrou no calendário substituindo o Grand Prix, torneio em que o Brasil é o maior campeão, com 12 títulos, e ostenta a condição de atual vencedor.

Com um novo nome e formato, a competição passará a contar com 16 seleções, sendo que a cada semana de disputas serão formados quatro grupos com quatro times em cada um. As cinco melhores equipes deste estágio classificatório avançarão à fase final, que já tem garantida a presença da China como país-sede e ocorrerá entre 27 de junho e 1º de julho.

"As jogadoras se apresentaram diretamente depois da Superliga e vamos precisar dosar muito bem o trabalho. Serão sete semanas de competição. É um campeonato longo. Teremos muito revezamento entre as jogadoras para não desgastar ninguém. O campeonato mais importante deste ano é o Mundial. Queremos nos classificar para a fase final e fazer bons jogos", afirmou Zé Roberto, em declarações reproduzidas pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

O Mundial de 2018 será realizado entre os dias 29 de setembro e 20 de outubro. Antes disso, a seleção feminina também participará da Copa Pan-Americana, de 6 a 15 de julho, e da competição amistosa Montreux Volley Masters, de 4 a 9 de setembro.

De olho neste calendário, Zé Roberto festejou o fato de o Brasil abrir a sua campanha nesta Liga das Nações atuando como mandante, sendo que nesta semana a equipe nacional também terá pela frente o Japão e a Sérvia. "A possibilidade de jogarmos em casa diante da nossa torcida e abrindo a competição é muito importante. Sabemos que a torcida será a 15º jogadora e irá nos apoiar bastante. O fato de conhecermos o local e estarmos ambientados também nos ajuda", enfatizou.

Veterana da seleção, Jaqueline exibiu empolgação ao projetar a estreia contra a Alemanha na competição em que pela primeira vez ela atuará em uma nova posição: a de líbero. "Estou feliz e a energia desse grupo está muito boa. A equipe tem se dedicado bastante e temos tudo para disputar três bons jogos em casa diante da nossa torcida. Acredito que o público comparecerá e nos ajudará bastante. Estou com frio na barriga com esse novo momento, mas isso que me motiva a continuar em quadra", destacou.