Envie sugestões para circuitoturisticormvale@meon.com.br

silveiras

Mapa

Conheça Silveiras

Lista

Fio marrom turismo circuito turistico

Silveiras

Praça da Matriz

Prefeitura minicipal de Silveiras

Além de possuir um grande valor histórico, Silveiras conta com uma natureza encantadora, com lindas cachoeiras, e com um clima de montanha da Serra da Bocaina. O município é o primeiro do estado de São Paulo a se transformar em área de proteção ambiental. O nome da cidade é devido a um antigo rancho influente da região da tradicional Família Silveira. A cidade recebe turistas ligados aos setores de cultura, história, ecologia, religião, gastronomia e artes populares. Silveiras atrai muitos turistas interessados na história do tropeirismo paulista.

Fio marrom turismo circuito turistico

LB C

Historia

Silveiras surgiu ao final do século XVIII em torno de um rancho de tropas, o da família Silveira – daí o seu nome. “Vamos lá para os Silveiras”. Logo, outros “ranchos” foram se instalando, com destaque para as famílias Guedes, Siqueira, Ventura de Abreu, Santos, Bueno, dentre outros. Seus bairros denominados Macacos e Bom Jesus – encosta da Serra da Bocaina e em direção à Cunha e Paraty surgiram antes, também em torno de tropeiros, já em pleno ciclo de ouro – na saga da “trilha entre Minas Gerais e os portos de Mambucada e Paraty”.

O desenvolvimento foi acelerado já nos primeiros anos do século XIX com a chegada do café, e em 1830 surgia a Freguesia dos Silveiras, no enorme município de Lorena. Freguesia – era a definição da época caracterizando a implantação da Paróquia homenageando Nossa Senhora da Conceição de Silveiras, fortalecendo a capela antiga surgida em 1780, erguida no mesmo local onde está a Matriz.

Com o desenvolvimento constante, a freguesia foi elevada à condição de Vila em 1842 – desmembrando-se de Lorena e tendo a Nossa Senhora da Conceição, como padroeira. Vale registrar, que a solicitação para a criação da Vila surgiu dos próprios silveirenses assegurando condições de independência e vida autônoma para a Vila.

Naquela época viviam em Silveiras 3.300 homens livres e entre 1.600 e 1.700 escravos de origem africana. Foi um período dramático para Silveiras. A Revolução Liberal explodiu no Brasil e o nosso município foi palco doloroso de combates. Sangrentos encontros deixaram 56 chefes de família assassinados pelas tropas do então Barão de Caxias na manhã de 12 de julho de 1842, e aí estão as trincheiras – para testemunhar aquela tragédia.

Essas mesmas trincheiras foram reabertas em 1932 por ocasião da Revolução Constituinte, marcas profundas do civismo nesta terra. As marcas da Revolução Liberal de 1842 foram tão dramáticas que a reconstrução de Silveiras levou mais de dois anos e a implantação da Vila dos Silveiras só viria ocorrer no dia 7 de setembro de 1844 quando ocorreu a eleição dos primeiros vereadores.

Silveiras no século XIX foi o mais importante núcleo de serviços dedicado ao tropeirismo do Brasil. Nossos “ranchos” atendiam aos tropeiros e suas tropas que faziam as “trilhas do ouro” e da “independência” (São Paulo X Rio de Janeiro – Café).

Em 1864, Silveiras passou para Cidade e em 1888 foi implantada a Comarca. Com a desativação e enfraquecimento das “Minas Gerais”, o café que se transferiu para novas terras (oeste paulista), a estrada de ferro que não passou do município, a abolição da escravidão dos negros, a república (mudança da ordem política), ocorre o êxodo da População local e a decadências atinge a comunidade.

Chegamos a ter mais de 25.000 habitantes – o 4º município mais populoso do Vale do Rio Paraíba Paulista. A Comarca foi extinta em 1938. E cada vez mais se percebeu a perda da atividades comercias. Mesmo com a abertura da estrada Rodovia Rio X São Paulo em 1928 o destino esteve determinado.

A partir de 1978, um movimento comunitário denominado Silveiras agilizou a valorização do patrimônio cultural e ambiental local, resultando na interrupção da decadência com o falecimento do artesanato (exportado para vários países do mundo – milhares de pessoas gravitam na atividade). O “tropeirismo” (o mais importante núcleo de estudos do setor no Brasil – acervo enorme biblioteca, peças históricas, casarão tropeiro). Fundação Nacional do tropeirismo, estátua / praça / Rancho dos Tropeiros e a Estrada dos Tropeiros que liga o município à Via Dutra no Km 34 no sentido São Paulo X Rio de Janeiro e atinge o Estado do Rio de Janeiro no município de Bananal / Barra Mansa. O município recebe turistas nos setores de cultura, História, ecologia, religião, gastronomia, artes populares. Hotéis surgem na zona rural e o turismo rural já se consolida.

A decadência está interrompida. Residências de bom gosto, o convívio social se consolida e a qualidade de vida local melhora visivelmente graças à ação dos jovens políticos e os benefícios do município por ser a primeira Área de Proteção Ambiental do Estado de São Paulo X Minas Gerais. Para isto, ocorrem cursos constantes de instituições universitárias, governamentais e ONGs, para que isto seja atingido pela População local.

Silveiras

Raio X

Prefeito
Guilherme Carvalho da Silva (2017-2020)

População
População estimada [2018]: 6.264 pessoas   População no último censo [2010]: 5.792pessoas  

Trabalho e Rendimento
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2016]: 1,9 salários mínimos   Pessoal ocupado [2016]: 689 pessoas   População ocupada [2016]: 11,1 %  

Educação
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]: 98,2 % Ideb – Anos iniciais do ensino fundamental [2015]: 5.7%   Ideb – Anos finais do ensino fundamental [2015]: 4.7%  

Economia
PIB per capita [2015]: R$ 9.759,45 Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]: 87,6 %   Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]: 0.678  

Saúde
Mortalidade Infantil [2014]: 44,12 óbitos por mil nascidos vivos   Estabelecimentos de Saúde SUS [2009]: 3 estabelecimentos

Hino

Avante ó jovens audazes, partis Após ideal de luz e clarões! A pátria palpita dos peitos febris, Nas flamas ardentes de seus corações.
Nas vozes das listas verdes Cor de sangue cor de anil Nossa bandeira paneja Cantando: que sempre seja Mais venturoso o Brasil!
No meio das devesas de cima douradas No meio das colinas de verde cetim A serra gigante emoldura a Paisagem Transforma Silveiras em divo jardim!
Nas claras campinas de frondes de anil As rosas da vida, as nossas crianças Quais ondas do mar marulham gentis Manhãs de alvorada, vergeis de esperança!
Correi pressurosos aos beijos da brisa Nas várzeas tão lindas, nas lambas em flor Após a vitória que vos diviniza Buscando um porvir de luz e esplendor!
Marchai juventude, marchai sem temor O manto azulado da Virgem sem par Envolve a vós todos escudo de amor Pedaço de azul do céu cor de mar!

Fio marrom turismo circuito turistico

Banner Circuito Turistico RMVale Turismo